Novas configurações da Dança

em processos distribuidos das Redes.
Ivani Santana

Novas configurações da Dança

foto: Luiz Naveda

Novas configurações da Dança em processos distribuídos das Redes*

AUTORA: Ivani Santana – UFBA, Pós Doutorado SARC/UK (Bolsa Capes)

Este artigo faz uma reflexão sobre o surgimento da dança realizada através das (e muitas vezes especificamente para) redes avançadas de telecomunicação. Várias nomenclaturas são atribuídas à essa configuração artística, tais como: Dança Telemática, Ciberdança, Networked Performance, Dança Distribuída, dentre outros. Entretanto, o objetivo do texto não é defender ou definir por um desses títulos. Ao contrário, o intuito da reflexão aqui proposta é analisar e discutir as implicações e conformações conceituais, políticas e estéticas dos processos criativos de dança propostos na trama distribuída da rede.

*Esse artigo é fragmento da minha investigação de pós doutorado intitulada Dramaturgia do Corpo Telesonoro, realizada entre Maio de 2012 à Abril de 2013 no Sonic Arts Research Centre, Queen’s University of Belfast, Irlanda do Norte, Reino Unido. Publicação completa prevista para o segundo semestre de 2013, informações nos sites www.mapad2.ufba.br e www.poeticatecnologica.ufba.br.

VER ARTIGO COMPLETO

Ivani Santana é mestre (2000) e doutora (2003) em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil. Atualmente realiza pós doutorado no Sonic Arts Research Centre, UK, através do suporte da CAPES. Desde 2008 recebe a bolsa “Produtividade em Pesquisa” do CNPq. Desde a década de 90 pesquisa a relação da dança com as novas tecnologias.  Neste campo tem atuado intensamente, contando com expressiva produção artística e científica. Em 2006, pela apresentação de sua pesquisa no Monaco Dance Forum (MDF), recebeu o Prêmio Unesco para Promoção das Artes – Novas Tecnologias e a Residência Artística no renomado Centre Choregraphique National – Pavillon Noir, com direção artística do coreógrafo Angelin Preljocaj, em Aix-en-Provance, França, onde apresentou Le Moi, Le Cristal et L’eau (2007). Em 2009 participou do Bains Numerique #4, no Centre des Arts Enghien-les-Bains, França, com a instalação “EU”. Desde 2005 faz criações em dança e arte telemática em vários projetos nacionais e internacionais, dos quais destacamos: Versus (2005), e_Pormundos Afeto (entre Brasil e Espanha e co-criação do grupo Konic Thtr, 2009, 2010, 2011) e Frágil, entre grupos brasileiros de diferentes linguagens artística (Fortaleza, Salvador, João Pessoa e Rio de Janeiro). Professora do Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos e do Programa de Pós Graduação em Artes Cênicas da Universidade Federal da Bahia. Diretora do Grupo de Pesquisa Poéticas Tecnológicas: corpoaudiovisual no qual participam alunos de graduação, pós-graduação e artistas do campo. Ivani é autora dos livros: Corpo Aberto: Cunningham, Dança e Novas Tecnologias (SP:FAPESP/EDUC, 2002) e Dança na Cultura Digital (Ba:FAPESB/EDUFBA,2006). Possui vários artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais tais como Nouvelles De Danse (Bélgica) e International Journal of Performance Arts and Media Digital (Reino Unido). Fundadora do projeto MAPAD2 – Mapa e Programa de Artes em Dança Digital que tem por objetivo auxiliar o crescimento desse campo em países de língua portuguesa e espanhola, auxilando o intercâmbio de informação entre artistas e pesquisadores e a difusão de seus trabalhos, para isso, disponibiliza conteúdo para investigação teórico-prática e realiza atividades e experimentos através da rede, dentre outros.

Comentarios